Não entristeçam o Espírito Santo de Deus



Esboço da mensagem: 

“E não entristeçais o Espírito de Deus no qual fostes selados para o dia da redenção” (Efésios 4.30).


Epístola aos efésios = uma epístola circular, com doutrina e questões práticas.

Cap. 1 – 3: questões doutrinárias

Cap 4 -  em diante: a prática de vida dos cristãos

O que aprendemos sobre o Espírito Santo nessa passagem?

1 – Que o Espírito Santo é dotado de personalidade: ele se entristece. Não pode ser apenas uma energia, uma força, uma coisa.

Passagens de apoio:

Intelecto: 1 Co 2.10;
Conhecimento: 1 Co 2.11;
Mente (Pensamento): Rm 8.27;  
Emoções: Ef 4.30;
Vontade: 1 Co 12.11; At 16.6;
Ensino: Jo 14.26;
Testemunho: Jo 15.26;
Guia (direção): Jo 16.13;
Convencimento (persuação): Jo 16.13;
Regeneração (novo nascimento): Jo 3.5;
Intercessão: Rm 8.26;

2 – Que o Espírito é de Deus, sendo o próprio Deus. Ele não é uma criatura, um anjo, ou algo do tipo. Ele é também chamado de Espírito de Cristo e Espírito Santo.


Passagens de apoio:

Onisciência: 1 Co 2.10-12 – conhece as profundezas de Deus e do ser humano.

Ele é chamado de Espírito de Deus: Rm 8.9 – ter o Espírito é o equivalente a ter o Espírito de Deus.

Ele também é chamado de Espírito de Cristo: Rm 8.9 – Espírito de Deus e Espírito de Cristo são a mesma pessoa.

Ele é o mesmo Espírito que ressuscitou Jesus dentre os mortos: Rm 8.11 – Somente Deus pode trazer um morto de volta à vida. Esse é o mesmo Espírito que habita em nós.

Ele também é Criador: Jó 33.4. Entendemos que já há uma noção hipostática do Espírito no Antigo Testamento, e não somente uma emanação da parte de Deus. Criação é um atributo da divindade.

Onipresença: Jo 14.17; Sl 139.7. Ele não habita em somente uma pessoa, mas em várias, e Ele convence o mundo.

Mentir a ele equivale a mentir a Deus: Atos 5.3 (Pedro diz que Ananias mentiu ao Espírito Santo) – Atos 5.4 (Pedro diz que Ananias mentiu a Deus)
1 Co 3.16-17 (Santuário de Deus) - 1 Co 6.19 (Santuário do Espírito Santo).
 O Espírito Santo é mencionado em igualdade com o Pai e o Filho: Mt 28.19; 1 Co 12.4-6; 2 Co 13.13; 1 Pe 1.2


3 – Ele nos selou para o dia da redenção:
          
           Selo – marca de propriedade quando você creu na mensagem do evangelho

           Redenção – o dia em que serão criados novos céus e nova terra onde habita a justiça. Onde seremos resgatados de nossa condição humana e pecaminosa. Será o fim do sofrimento de toda a criação.

COMO NÃO ENTRISTECER O ESPÍRITO SANTO?

Resumidamente: não pecar. E para o alegrar, é viver virtuosamente o evangelho de Cristo.

Temos a dica olhando todo o contexto dos vers. 17 – 32.

Vers. 17 – 24 – Paulo diz para nós nos despirmos do velho homem e nos vestirmos do novo homem.
Vers. 25 – Deixe a mentira e fale a verdade.
Vers. 26-27 – Não se deixe dominar pela ira.
Vers. 28 – Deixe de furta e trabalhe para ajudar quem tem necessidade.
Vers. 29 – Não saia da vossa boca nenhuma palavra torpe, mas somente a que for boa para a edificação.

Mas a ênfase maior é a que vem no versículo 31:

“Longe de vós, toda a amargura, e cólera, e ira, e gritaria, e blasfêmias, e bem assim toda a malícia”

Amargura = disposição interior de uma pessoa com língua aguda como uma flecha e afiada como uma navalha. Guarda ressentimento contra o seu próximo, e assim o fere, com respostas que mordem ou picam.

Cólera/fúria = forte sentimento de antagonismo que é expresso por meio de explosão tumultuosa – ocorrendo em consonância com “amargura” e “gritaria” apontam para um homicídio em potencial

Ira = explosão das emoções como uma fornalha ardente.

Gritaria = explosão violenta de uma pessoa que perde completamente o autocontrole e despeja suas emoções com gritos

Blasfêmias/Malediências = uso ofensivo das palavras dirigidas contra Deus e os homens.

Malícia = má inclinação da mente, perversa disposição em causar prejuízo ao próximo, com astúcia e falsidade.

O que mais entristece então o Espírito Santo são os pecados da língua que afetam negativamente os nossos relacionamentos. Entristecemos mais o Espírito Santo nos nossos relacionamentos.

Como temos que ser então?

“Antes sede uns para com os outros benignos, compassivos, perdoando-vos uns aos outros, como também Deus, em Cristo, vos perdoou”.

Benigno/bondoso = benevolência concedida pelo Espírito, inteiramente contrária à maldade. É fazer algo de bom a alguém.

Compassivo/misericordioso = afeto de Jesus sobre a vida do outro, é ter uma profunda empatia pelo outro, interesse.

Perdoando-vos uns aos outros = sem perdão, é impossível qualquer tipo de comunhão.

Como Deus, em Cristo, nos perdoou: perdoamos porque fomos perdoados.

Assim como um pai não gosta de ver seus filhos fazerem mal a si próprios e aos outros, assim também é o Espírito Santo para conosco.

Algumas lições que podemos aprender aqui:

1 – APRENDA A CONTROLAR SUA EMOÇÕES NEGATIVAS.

Principalmente a sua raiva, a sua indignação. Não vá falando tudo o que você pensa. Cuidado com atitudes negativas.

2 – CUIDADO COM A AGRESSIVIDADE EXPRESSA ÀS PESSOAS AO SEU REDOR.

Com as pessoas de dentro da sua própria casa.
Com pessoas do seu círculo profissional.
Com pessoas do seu círculo eclesiástico e social.

3 – CONSTRUA UM RELACIONAMENTO SAUDÁVEL COM AS PESSOAS PARA TER UM RELACIONAMENTO SAUDÁVEL COM O ESPÍRITO DE DEUS.

Curioso que nessa passagem que diz para nós não entristecermos o Espírito Santo de Deus nada diz sobre ler a Bíblia e orar, por exemplo. Está falando o tempo todo de relacionamentos.

Ler as Escrituras e orar devem nos preparar para os relacionamentos.