quarta-feira, 22 de março de 2017

Distinguindo o verdadeiro do falso conhecimento acerca de Cristo



Leitura: 1 João 2.3-6

Essa passagem das Escrituras nos demonstra algumas diferenças entre aqueles que conhecem verdadeiramente ao Senhor daqueles que dizem conhecer, mas não conhecem.

A primeira afirmação acerca dos que conhecem verdadeiramente a Cristo é que esses guardam os seus mandamentos (vers. 3).

Guardar significa observar, obedecer, cumprir. Há exemplos no evangelho de João que mencionam os mandamentos dados por Cristo: “Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, esse é o que me ama” (João 14.21); “um novo mandamento vos dou” (João 13.34), entre outros.

Toda a Escritura é inspirada por Deus, entretanto, tudo aquilo que Cristo ensinou para nós é de fundamental importância para o seu discípulo, como por exemplo, as bem aventuranças, o sermão do monte (Mateus 5-7), suas parábolas, etc. Daí a necessidade de estudarmos com profundidade os evangelhos. Um filho obedece as ordens de seu pai porque o conhece, sabe como ele pensa, o que o agrada e o desagrada. Assim também, um discípulo que conhece ao Senhor guarda os seus mandamentos.

Após, é feita uma afirmação sobre aqueles que dizem que conhecem a Jesus, mas são tidos por mentirosos: “aquele que diz que o conhece e não guarda os seus mandamentos é mentiroso” (vers. 4).

Nesta carta, João está combatendo um grupo que dizia ter um conhecimento especial, espiritual de Jesus, um movimento chamado de “docetismo”, que afirmava que o Senhor só tinha aparência humana, mas não tinha vindo em carne. Eles, ou pelo menos parte deles, diziam que o corpo era mal, que a única realidade boa era espiritual (um pensamento muito grego, por sinal). Logo, eles entendiam que, pelo fato do corpo ser algo ruim, eles poderiam pecar, desgastá-lo, negando a realidade do pecado. Entretanto, João ensina que aqueles que não guardam os mais básicos mandamentos de Cristo não podem dizer que o conhecem verdadeiramente, são mentirosos.

Voltando aos que detém verdadeiro conhecimento de Cristo, João nos ensina que “aquele que guarda a palavra, nele tem se aperfeiçoado o amor de Deus”, e que “é assim que percebemos que estamos nele” (vers. 5).

Guardar a palavra verdadeiramente irá produzir o amor de Deus em nós, e a fé que temos n’Ele irá se manifestar, operar pelo amor. Deus é amor, e sua intenção é que a natureza divina, que é amor, cresça em nós, se aperfeiçoe. Esse crescimento vem justamente por guardarmos os seus mandamentos, a sua palavra. Conhecemos que somos verdadeiramente discípulos se verdadeiramente amarmos, e é amando uns aos outros que seremos reconhecidos pelo mundo como seus seguidores (João 13.35).

E finalmente João nos dá um indicativo fundamental dos que dizem que permanecem nele: “quem diz estar nele, também deve andar como ele andou” (vers. 6). Há quem diz estar em Cristo, mas andam de qualquer jeito. Dizem conhece-lo, mas não guardam seus mandamentos. Quando nutrimos admiração por alguém, desejamos seguir os seus passos, imitar sua vida. Assim são os discípulos de Cristo. Procuram viver como o mestre andou. Observam nos evangelhos aquilo que fez e ensinou. O modo como orava e se relacionava com o Pai e com as pessoas. Ou seja, Cristo é o padrão de vida para os que são seus.

Há muitas coisas que Cristo não fez que nós precisamos fazer. Por exemplo, Cristo nunca precisou se arrepender dos seus pecados, pois nunca pecou. Entretanto, nós precisamos nos arrepender quase que diariamente. E curiosamente, quando fazemos isso, algo que Cristo nunca precisou fazer, estamos mais perto dele, pois foi o próprio Jesus que nos ensinou a necessidade do arrependimento.

Jesus, por exemplo, também nunca precisou pedir perdão pelos seus erros, pois nunca pecou. Mas nós precisamos pedir perdão quase que diariamente a Deus, e muitas vezes, para outras pessoas. E nesse caso também, quando fazemos algo que Jesus nunca precisou fazer, mas ensinou, nos fundamentamos ainda mais nele, pois foi ele quem nos ensinou a perdoar uns aos outros e a pedir perdão.

E assim, vamos caminhando diariamente nessa jornada de imitação ao nosso Senhor, crescendo em graça e sabedoria. Que possamos crescer no verdadeiro conhecimento de Jesus.

Deus abençoe!