Jesus multiplica pães e peixes

Jesus multiplica pães e peixes31 E ele disse-lhes: Vinde vós, aqui à parte, a um lugar deserto, e repousai um pouco. Porque havia muitos que iam e vinham, e não tinham tempo para comer.


32 E foram sós num barco para um lugar deserto.
33 E a multidão viu-os partir, e muitos o conheceram; e correram para lá, a pé, de todas as cidades, e ali chegaram primeiro do que eles, e aproximavam-se dele.
34 E Jesus, saindo, viu uma grande multidão, e teve compaixão deles, porque eram como ovelhas que não têm pastor; e começou a ensinar-lhes muitas coisas.
35 E, como o dia fosse já muito adiantado, os seus discípulos se aproximaram dele, e lhe disseram: O lugar é deserto, e o dia está já muito adiantado.
36 Despede-os, para que vão aos lugares e aldeias circunvizinhas, e comprem pão para si; porque não têm que comer.
37 Ele, porém, respondendo, lhes disse: Dai-lhes vós de comer. E eles disseram-lhe: Iremos nós, e compraremos duzentos dinheiros de pão para lhes darmos de comer?
38 E ele disse-lhes: Quantos pães tendes? Ide ver. E, sabendo-o eles, disseram: Cinco pães e dois peixes.
39 E ordenou-lhes que fizessem assentar a todos, em ranchos, sobre a erva verde.
40 E assentaram-se repartidos de cem em cem, e de cinqüenta em cinqüenta.
41 E, tomando ele os cinco pães e os dois peixes, levantou os olhos ao céu, abençoou e partiu os pães, e deu-os aos seus discípulos para que os pusessem diante deles. E repartiu os dois peixes por todos.
42 E todos comeram, e ficaram fartos;
43 E levantaram doze alcofas cheias de pedaços de pão e de peixe.
44 E os que comeram os pães eram quase cinco mil homens.

Que lições podemos aprender da passagem acima descrita?


1 - Jesus é aquele que muda a agenda para atender os necessitados:

31 E ele disse-lhes: Vinde vós, aqui à parte, a um lugar deserto, e repousai um pouco.

Vejam que a intenção de Cristo era descansar um pouco, pois não tinham nem tempo parar para comer.

Muitas vezes nosso coração faz planos, mas a necessidade das pessoas acabam tendo que ditar a nossa agenda, os nossos planos.

Você já precisou mudar alguma vez sua agenda para atender àquele que de ti necessitava?


2 - Jesus é aquele que se desgasta na obra:

Porque havia muitos que iam e vinham, e não tinham tempo para comer.

Qualquer pessoa que se envolve na obra do Senhor sabe que não terá muito tempo para si mesmo, para descanso, para a família, embora todas estas coisas sejam importantes. Mas as demandas são muito grandes. Assim era a vida ministerial de Jesus. Sempre se desgastando pela obra.

Você tem se desgastado na obra do Senhor?


3 - Jesus é aquele que é reconhecido como alguém que verdadeiramente pode ajudar:

33 E a multidão viu-os partir, e muitos o conheceram

Assim também um servo do Senhor tem que ser conhecido como alguém que pode fazer alguma coisa para aliviar o sofrimento humano.

As pessoas conhecem você como alguém que verdadeiramente pode ajudar?


4 - Jesus é aquele cuja marca do ministério é a compaixão:

34 E Jesus, saindo, viu uma grande multidão, e teve compaixão deles, porque eram como ovelhas que não têm pastor; e começou a ensinar-lhes muitas coisas.

Compaixão é sofrer junto com alguém. Isso motivava o trabalho de Jesus. E o que é interessante é que essa compaixão se manifestou em ensino. Logo, percebemos que ensinar a Palavra do Senhor é também um ato de compaixão, pois a maior parte das pessoas padecem por falta de conhecimento de Deus. A ação principal de Jesus aqui não foi multiplicar pães e peixes, ou realizar milagres sobrenaturais. Foi ensinar.


5 - Jesus é aquele que desafia os discípulos a resolverem questões bastante difíceis:

37 Ele, porém, respondendo, lhes disse: Dai-lhes vós de comer.

Os discípulos bem que tentaram dispensar a multidão faminta. Mas Jesus, além de não deixar, determinou que eles mesmos dessem de comer aos milhares ali presentes. Uma missão humanamente impossível levando-se em consideração os poucos recursos disponíveis ali naquele momento.

Mas uma coisa podemos ter certeza: se Jesus nos dá uma missão impossível, ele também proverá o modo para o qual possamos realizar o quanto determinou.


6 - Jesus é aquele que transforma uma multidão em grupos organizados:

40 E assentaram-se repartidos de cem em cem, e de cinqüenta em cinqüenta.

A multidão em certo sentido é desorganizada, disforme. Cada um passa desapercebido em meio à multidão.

Quando nos organizamos em grupos menores, passamos a nos conhecer, a olharmos uns nos olhos dos outros.

Assim faz o Cristo. Da multidão que o segue, forma grupos menores, para que possamos experimentar a experiência da partilha.


7 - Jesus é aquele que, do pouco, que é o tudo e alguns, abençoa e multiplica para suprir a todos:

41 E, tomando ele os cinco pães e os dois peixes, levantou os olhos ao céu, abençoou e partiu os pães, e deu-os aos seus discípulos para que os pusessem diante deles. E repartiu os dois peixes por todos.

Alguém teve que ceder tudo o quanto tinha para que Jesus multiplicasse.

Há um movimento litúrgico (ação do povo) muito bonito nessa passagem. O povo entrega tudo o que tem para os apóstolos. Estes, levam tudo para o Cristo que abençoa diante do Pai. Cristo devolve os pães para os apóstolos que devolvem tudo para o povo, e ainda sobra.

Neste movimento de partilha não falta para ninguém. Na verdade, sobra. A generosidade sempre multiplica. Talvez você diga no seu coração: eu tenho muito pouco! Não importa! Este pouco que você tem já é o suficiente para Jesus multiplicar e abençoar a multidão. Não retenha nada para você. Vá e dê! Seus talentos, seu tempo, seus recursos. O Senhor há de abençoar, multiplicar e alimentar muitos!


Postagens mais visitadas deste blog

Santificado seja o teu nome

Pai nosso que está nos céus